ETIQUETA DO PNEU

A Regulamentação da UE prevê requisitos de etiquetagem referentes à apresentação de informações a respeito da eficiência energética (resistência ao rolamento), aderência em superfície molhada e barulho externo de um pneu para aumentar a segurança e a produtividade do transporte rodoviário. Isso permite que o usuário final faça uma escolha consciente durante a compra do pneu. A regulamentação exige que todos os pneus produzidos a partir de 01 de julho de 2012 e disponíveis no mercado da UE a partir de 01 de novembro de 2012 apresentem uma etiqueta que deve ser mostrada ao usuário antes da compra.

O POSICIONAMENTO DA PIRELLI

A Pirelli, em conformidade com os rigorosos procedimentos de controle de qualidade, não só aceita como também defende a presença da etiqueta do pneu, visto que se trata de uma maneira de proporcionar ao usuário final mais transparência e informação durante a compra de um pneu novo. O valor global de um pneu deve ser calculado com base em uma lista de fatores (condução tanto em superfícies secas quanto molhadas, em situações de aquaplanagem, estabilidade em alta velocidade, frenagem no seco, quilometragem, etc.) que a Pirelli considera em todos os testes de pneus. Como a etiqueta não apresenta algumas informações mais específicas sobre um pneu em especial, como, por exemplo, os pneus de inverno e o seu desempenho, os revendedores têm um papel crucial na escolha do consumidor, já que são os especialistas que irão recomendar o pneu certo para as necessidades específicas de cada usuário final.

REDUÇÃO DO
CONSUMO EFICIÊNCIA TOTAL

A resistência é uma força contrária à direção do veículo quanto o pneu está em movimento. Considerando que os pneus contribuem em até 20% do consumo total de um carro e em até 35% de um caminhão, é fundamental que se atinja baixos valores de resistência ao rolamento. Mas vamos entender melhor como isso funciona: devido ao peso do veículo, o pneu sofre uma deformação na área de contato com a estrada que provoca uma dissipação de energia na forma de calor. Quanto maior a deformação, maior a resistência e, consequentemente, o consumo de combustível e a emissão de CO2. Na etiqueta de Regulamentação de pneu da UE, a resistência ao rolamento é expressa em graus, variando desde A (melhor classificação) até F para veículos industriais e G para carros (pior classificação).

REDUÇÃO NO CONSUMO

3,35%

COMBUSTÍVEL SALVADO

45.5L

CO2 TOTAL SALVADO

108.4kg

ROTULAGEM: DE C PARA B
VEÍCULO: SEDAN - GASOLINA
KM/ANO: 20.000 KM
SU: RODOVIAS MISTAS
A DIFERENÇA ENTRE UM PNEU “C” E UM “B” SIGNIFICA UMA REDUÇÃO OU AUMENTO NO CONSUMO TOTAL VARIÁVEL ENTRE 2,5% - 4,5% PARA UM CARRO E 5%-8% PARA UM CAMINHÃO.

AUMENTO DA SEGURANÇA EM SUPERFÍCIE MOLHAD

A Segurança associada à aderência do pneu em superfície molhada. A aderência em superfície molhada é uma das principais características de segurança de um pneu. Excelente aderência em superfícies molhadas significa uma menor distância de frenagem em condições chuvosas. Há outros parâmetros relevantes para a segurança, mas a aderência à superfície molhada é o fator de maior importância para a comparação entre tipos de pneus.  A diferença entre cada grau significa o aumento ou diminuição na distância de parada de aproximadamente 2,6 m* em frenagem a 50 m/h. 

*Tüv Süd Automotive, tyre test report n° 76247671 year 2011 (ref. Pirelli tyres - size 225/50 zr17)

REDUÇÃO
DE RUÍDOSO

Nível de ruído externo (em decibéis) A poluição sonora no trânsito é uma questão ambiental relevante, sendo determinada por diversos fatores, tais como: a intensidade do tráfego, o tipo de veículo, a forma de dirigir e a interação pneu-estrada.  O valor indicado na etiqueta não é o ruído interno, aquele que o motorista percebe enquanto está dirigindo, mas sim o externo, que contribui para a poluição sonora. 

  • 1 ONDAS SONORAS PRETAS 3 db(s) menor que o limite estipulado pela regulamento (EC) 661/2009.
  • 2 ONDAS SONORAS PRETAS Atende aos limites da regulamento (CE) 661/2009.
  • 3 ONDAS SONORAS PRETAS Atende aos limites da diretiva (CE) 2001/43.

EFICIÊNCIA TOTAL ASSOCIADA À RESISTÊNCIA AO ROLAMENTO DO PNEU

SEGURANÇA ASSOCIADA À ADERÊNCIA DO PNEU EM SUPERFÍCIE MOLHADA

NÍVEL DE RUÍDO EXTERNO (medido em DECIBEL)

+
+
+

FAQ

O regulamento se aplica a todo o âmbito de pneus?

As regras são válidas apenas para os: pneus de veículos de passageiros (C1), pneus de caminhonetes (C2) e pneus para veículos pesados (C3).

Excluem-se as seguintes categorias:

  • Pneus recauchutados;
  • pneus Off-Road Profissionais;
  • pneus de corrida;
  • pneus cravo (pneus cravejados se fornecidos sem cravos são pneus cobertos);
  • pneus sobressalentes de uso temporário;
  • pneus para veículos documentados pela primeira vez antes de 1 de outubro de 1990;
  • pneus cuja velocidade máxima é menor de 80 km/h;
  • pneus cujo diâmetro nominal do aro não exceda 254 mm ou seja igual ou maior a 635 mm.

Existem planos por parte da UE da projeção de um calculador de economia de combustível da que mostre o impacto de pneus com etiquetas diferentes no consumo de combustível/gasto de combustível?
A Comissão Europeia deve começar a desenvolver um calculador de economia de combustível harmonizado que, eventualmente, poderá ser disponibilizado no site de cada fabricante e que servirá para calcular a economia de combustível e para comparar os produtos.

Existe a possibilidade de incluir os recauchutados?
Existem planos para a introdução de requisitos de etiquetagem para recauchutados; entretanto, só após a avaliação do impacto é que a Comissão decidirá. A Comissão deve apresentar o resultado dessa avaliação em março de 2016.

Por que os pneus „POR“ foram excluídos da etiquetagem?
Os pneus POR são desenhados especificamente para atingir performances de aderência excepcionais em condições precárias e em todos os terrenos, fato que os impossibilita de cumprir os princípios regulamentares e níveis de classificação significativos.

Qual é a diferença entre limite e classificação?
Um limite é o nível de desempenho mínimo aceitável para um pneu ser autorizado no mercado europeu. A classificação informará o nível de desempenho sob condições de teste pré-estabelecidas do pneu a respeito da sua resistência ao rolamento, a sua frenagem em superfície molhada e o seu ruído externo de rotação.

Como a medição da aderência à superfície molhada relaciona-se à segurança na estrada, sobretudo quando se trata de diferentes condições de estrada (seca, molhada, com neve, gelo)?
A aderência à superfície molhada refere-se ao desempenho de segurança dos pneus: isso reflete a sua capacidade de frenagem na estrada molhada. Há outros parâmetros de relevância para a segurança (p.ex. capacidade de fixação na estrada, controle direcional, habilidade de desaceleração em superfícies molhada e seca em alta velocidade e situação de aquaplanagem), mas a aderência à superfície molhada foi escolhida como a situação mais representativa de redução de contato na Europa.

Qual é a relação entre a aderência à superfície molhada e a RR?
Há diferentes características do pneu que afetam a sua RR. O ajuste à RR pode ser executado por meio da modificação de alguns desses parâmetros, mas alguns só terão impacto negativo na aderência à superfície molhada. O engenheiro de desenvolvimento do pneu deve usar as ferramentas certas na quantidade adequada para atingir o equilíbrio ideal entre a RR e a aderência à superfície molhada.  Se os limites de RR do pneu estiverem muito baixos, a troca necessária pode afetar inapropriadamente o desempenho da aderência à superfície molhada.

O que é a resistência ao rolamento (RR)?
A RR é a força oposta à direção de movimento quando o pneu está em rotação. Devido ao peso do veículo, o pneu sofre deformação na área de contato com a superfície da estrada. Essa deformação induz a perdas internas. Podemos fazer uma analogia a uma bola de borracha que, quando lançada, não ricocheteia com a mesma força.  A RR do pneu pode ser expressa como Força (Newton) ou como um Coeficiente (CRR). O coeficiente de resistência ao rolamento é definido como a força de RR (N) dividida pela carga do pneu. A vantagem do coeficiente é que ele possibilita a facilidade de comparação dos pneus planejados para carros diferentes.

Como a RR contribui para o consumo de combustível do veículo? Quais outros fatores contribuem para o consumo de combustível?
O motor do veículo tem que produzir força para compensar a RR. Isso consome combustível e, por isso, contribui para o consumo de combustível do veículo. Regra geral, a redução de RR em 6% diminui o consumo de combustível em 1% no caso de veículos de passageiros. Outros fatores podem contribuir para o consumo de combustível do veículo:  Aerodinâmica, peso do veículo, tipo do motor, sistemas auxiliares como ar-condicionado, inclinação da estrada, o jeito de dirigir do motorista, nível de pressão do pneu, acelerações ou as condições gerais do tráfego.