Todos os três tipos de pneus slicks disponíveis foram usados, assim como o intermediário, durante os treinos livres para o Grande Prêmio da Hungria

Diferença entre macios e supermacios fica na casa de 1,3 segundo

Novo asfalto resultou em superfície escorregadia, com considerável evolução da pista durante o dia

A chuva que caiu durante a noite fez com que o pneu Cinturato verde intermediário fosse escolhido para o início do primeiro treino livre em Hungaroring. Todos os três compostos P Zero slicks – médio, macio e supermacio – foram utilizados no restante do dia.

A maior diferença para a apertada e sinuosa pista de Hungaroring em relação ao ano passado foi a superfície recapeada. Mais lisa, ela estava bastante escorregadia, principalmente pela umidade na parte da manhã. Mas, como era esperado, se provou mais rápida do que o asfalto anterior.

Como resultado, a pole position de 2015 já foi superada no primeiro treino livre. Nico Rosberg, da Mercedes, foi o mais rápido do dia, com o tempo de 1min20s435. No total, a diferença do composto mais duro para esta etapa (o médio) para o mais macio (supermacio) foi pouco acima de dois segundos, embora com o pneu médio usado hoje seja difícil fazer uma análise precisa.

A diferença entre o macio e o supermacio – os dois pneus mais utilizados no treino livre – é na região de 1.3 segundo: um fato que é absolutamente crucial para formular a melhor estratégia de corrida, junto com o efeito de degradação dos pneus.

Paul Hembery, diretor de motorsport da Pirelli: “As equipes puderam fazer tudo que necessitavam hoje, durante as duas sessões de treinos livres, particularmente importantes por causa da nova superfície da pista. Como esperado, estava “verde” e escorregadia para começar – prejudicada ainda pela chuva na noite anterior. Porém, observamos uma evolução considerável nos tempos de voltas relacionados ao que tivemos em 2015. A pole position do ano passado já foi superada no primeiro treino livre. Com o classificatório sendo, tradicionalmente, tão crucial para o resultado da corrida, o trabalho no ajuste dos carros e a análise da evolução dos pneus serão aprimorados ainda mais neste sábado.”

Treino Livre 1 Treino Livre 2
1.Hamilton 1m21s347 Supermacio novo 1.Rosberg 1m20s435 Supermacio novo
2.Rosberg 1m21s584 Supermacio novo 2.Ricciardo 1m21s030 Supermacio novo
3.Vettel 1m22s991 Supermacio novo 3.Vettel 1m21s348 Supermacio novo



Treino Livre 1 – Melhor tempo por composto

Médio Leclerc 1m31s318
Macio Rosberg 1m22s801
Supermacio Hamilton 1m21s347



Treino Livre 2 – Melhor tempo por composto

Macio Hamilton 1m21s960
Supermacio Rosberg 1m20s435



Stints mais longos do dia por composto

Intermediário Nasr 6 voltas
Médio Leclerc 6 voltas
Macio Raikkonen 31 voltas
Supermacio Vettel 22 voltas



Estatísticas de hoje dos pneus:

Médio Macio Supermacio Intermediário
kms percorridos * 26 3232 1974 179
Jogos de pneus usados ** 1 52 34 22
Maior número de voltas ** 6 31 22 6



* Quantidade de quilômetros percorridos, por todos os pilotos nos treinos livres 1 e 2.
** Por composto, somados todos os pilotos.

Pressão mínima prescrita dos pneus: 19 psi (eixo dianteiro) e 18 psi (eixo traseiro).

Fato da Pirelli do dia: Embora Hungaroring seja visto como um circuito moderno, está, na verdade, celebrando a 31ª edição da prova neste ano. É, também, um dos poucos circuitos que se manteve presente de maneira ininterrupta no calendário da Fórmula 1, desde a sua inauguração.

Avistado no paddock: O Renault 90 CV. Não estava exatamente no paddock, mas a Renault trouxe o primeiro carro a vencer um grande prêmio, que foi o Renault 90 CV que conquistou a vitória na França, em Le Mans, em 1906, pilotado pelo húngaro Ferenc Szisz (o piloto de testes principal da Renault). Sua média horária foi de 101 km/h, apenas cerca de 70 km/h aquém do que os pilotos mais rápidos conseguem hoje em Hungaroring.