O Pirelli Scorpion™  MX continuou o seu domínio do Campeonato Mundial de Motocross da FIM na terceira das dezoito rodadas da competição, em um terreno complicado e em condições difíceis. A poeira vermelha brasileira, ao lado do maior parque temático da América do Sul, mudou de natureza ao longo do dia, de plana e dura para áspera e acidentada, devido às chuvas da tarde. A superfície em evolução e suas armadilhas não foram um grande problema para os pilotos da Pirelli equipados com SCORPION™ MX MidSoft 32F frontal e MidSoft 32 traseiro, que proporcionam ótima tração e dirigibilidade. Apenas Tim Gajser e Tony Cairoli optaram pelo SCORPION™ MX MidSoft 32 Mud quando choveu.

O piloto siciliano da KTM mostrou mais uma de suas obras-primas realizando uma corrida perfeita, apesar de sofrer com uma lesão no tornozelo. Com a sua 65ª vitória na carreira, ele se classificou à frente de outros pilotos Pirelli, como Clement Desalle e Jeremy Van Horebeek.

O defensor do título mundial na MX2 Jeffrey Herlings não foi ao Brasil, depois de sofrer uma lesão no ombro nos treinos, pela segunda rodada do Campeonato Holandês na semana passada. Portanto, a classe MX2 caiu nas garras do piloto suíço Arnaud Tonus, da Kawasaki CLS, pela primeira vez. Graças ao seu sucesso Tonus também saltou para o topo da tabela da MX2 e agora segura a placa vermelha.

Na segunda posição geral ficou o holandês Glenn Coldenhoff, que mantém o segundo lugar na classificação geral na frente dos colegas de Pirelli Dylan Ferrandis e depois Jeffrey Herlings. Solvenian Gajser foi quinto no geral, atrás de Ferrandis. O segundo Grande Prémio que acontecerá no Brasil nesta temporada acontecerá em Goiânia no dia 7 de setembro. A quarta rodada de MXGP será no dia 13 de abril em Arco di Trento, na Itália.