race

Pirelli lidera as pistas de corrida no Brasil

Felipe Giaffone e Marcos Gomes falam sobre temporada 2016 com a Pirelli

Home race Pirelli lidera as pistas de corrida no Brasil
Pirelli lidera as pistas de corrida no Brasil

Nas pistas de corrida do Brasil, seja no asfalto ou na terra, uma marca aparece como destaque nas mais diversas modalidades esportivas: a Pirelli. Fornecedora oficial da Stock Car, Fórmula Truck, Porsche GT3 Cup Challenge, Mit Cup, Brasileiro de Turismo, Brasileiro de Marcas, Superbike, Mercedes-Benz Challenge, entre outras, a fabricante italiana usa este imenso laboratório sempre na busca por produtos ainda melhores para os veículos de rua.

Show more images

De um universo tão grande de personagens, conversamos com dois: Felipe Giaffone, tetracampeão da Fórmula Truck, e Marcos Gomes, da Stock Car. Os dois pilotos falaram sobre as suas atividades de pista, disputas e, principalmente, a relação da Pirelli com o automobilsmo usando suas categorias como exemplo.

Felipe Giaffone: tetracampeão da Truck atua dentro e fora das pistas
Com 41 anos de idade, Felipe Giaffone, natural de São Paulo, conquistou no sábado, dia 10 de dezembro de 2016, o seu tão aguardado tetracampeonato da Fórmula Truck. O piloto, que teve uma carreira sólida nos Estados Unidos, pela Fórmula Indy, quando conquistou uma vitória em 2002, se consagrou no Brasil, onde voltou a competir em 2005 na categoria dos pesados.

A primeira etapa foi em Goiânia, em abril daquele ano, e o resultado foi um quinto lugar. Depois de dois campeonatos aprendendo os truques da categoria, Felipe conseguiu vencer pela primeira vez em 2007, na etapa de Fortaleza, e desde então não parou mais. Até o fim da temporada 2016 são 27 vitórias, 29 poles, quatro títulos brasileiros (2007, 2009, 2011 e 2016) e um sul-americano (2011), números que deixam seu nome marcado na história da Fórmula Truck.

No dia a dia, divide seu tempo entre as atividades na pista e fora dela, onde, entre outras funções, atua como comissário desportivo da Federação Internacional de Automobilismo (FIA) e Presidente da Associação Brasileira dos Pilotos de Automobilismo (ABPA). 

Como foi a temporada 2016 da Fórmula Truck? 
Venho de alguns anos legais, mas desde 2011 vinha sempre batendo na trave. Agora deu, foi muito bom. O campeonato foi complicado pela nova regra do restritor dos motores, que os líderes foram obrigados a instalar em seus caminhões, mas é algo bom para a categoria, deixando tudo mais equilibrado. A principal diferença foi que o meu caminhão foi constante, casou muito bem com o novo pneu Pirelli.

No campeonato eu ganhei quatro corridas e, sinceramente não poderia ter acabado de forma melhor. De todos os anos em que competi este foi o mais sólido, com menos quebras e altos e baixos. Para mim foi muito bom.

Qual a sua opinião sobre a entrada da Pirelli na Fórmula Truck?
A entrada foi muito tranquila, esperávamos muitas mudanças, mas mudou para melhor. O caminhão ficou mais constante durante a prova, a variação é bem menor. Eu não tive nem um pneu sequer dechapado durante o ano, mesmo quando eu errei a freada. O produto aceita mais desaforo nesse sentido, quando é solicitado. O apoio que a Pirelli deu durante o ano na pista foi muito importante. O time Pirelli passou informações exatas e, com isso, temos confiança de seguir o caminho apontado pelo seu pessoal técnico.

E quando falamos em desempenho?
A Pirelli trouxe com o seu pneu durabailidade e estabilidade para as corridas. Na parte de calibragem tudo muito constante, não temos que ficar procurando muito, não fugimos do padrão dentro dos limites e isso dá confiança, porque não precisamos forçar para buscar performance, ela já está lá desde sempre.

Como é o trabalho que desenvolve na ABPA?
A ABPA é uma ideia que surgiu dos pilotos, para juntos buscarmos o melhor para o automobilismo nacional. Vamos participar da eleição da Confederação Brasileira de Automobilismo (CBA) e cobrar o novo presidente. A Pirelli, como apoiadora da ABPA foi fundamental para a sua existência e sobrevivência, já que precisamos de parceiros para pagar os funcionários da associação que é sem fins lucrativos.

E na Escola Brasileira de Kart?
Em relação a escola é um projeto financiado pela FIA (70%) e CBA (30%) copiado o que já existe e é feito na França. Nosso objetivo é ajudar na descoberta e desenvolvimento de novos talentos e temos já três escolas em operação. Uma em São Paulo, no Kartódromo da Granja Viana, uma em Minas Gerais e outra no Sul. É um modelo que tem tudo para popularizar o esporte de uma forma nunca antes vista.

Marcos Gomes: campeão quer voltar a disputa o título da Stock Car em 2017
Em 2015, quando a bandeira quadriculada encerrou o campeonato, o paulista Marcos Gomes pode finalmente comemorar o seu primeiro título da Stock Car. O feito não foi fácil, no entanto coroou aquele que foi, durante as 12 etapas da temporada, o piloto mais arrojado e constante. Ao todo, Marquinhos, como é conhecido nas pistas, venceu três corridas (Santa Cruz do Sul, Curitiba e Campo Grande), fez cinco poles (uma no Velopark, duas em Curitiba, uma em Goiânia e uma em Campo Grande), três voltas mais rápidas (todas em Curitiba). O piloto somou 242 pontos, ficando 30 à frente de Cacá Bueno, segundo colocado da temporada.

A comemoração foi grande para o filho do tetracampeão da categoria Paulo Gomes, um dos maiores nomes do automobilismo nacional. Para 2016, o desafio estava posto: manter a forma e conseguir brigar pelo bicampeonato. Na primeira metade da temporada, o quadro poderia ser esse, mas sucessivos problemas acabaram tirando sua chance de lutar por mais uma conquista. Mesmo sem chance de conquistar o sonho do trofeu de campeão, a última etapa, em Interlagos (SP), no dia 11 de dezembro, foi eletrizante. Felipe Fraga, companheiro de equipe de Marcos, se tornou o mais jovem campeão da história da Stock Car.

Como foi tudo para você em 2015?
Foi o ano perfeito. Na verdade acabou sendo bem parecido com o que o Felipe teve em 2016. Fizemos poles, vencemos corridas e não tivemos problemas mecânicos que nos custaram pontos preciosos como ocorreu este ano. Foi, sem dúvida, o melhor ano na Stock Car para mim. 

Em 2016, entretanto, a sorte não foi a mesma. Mas como classifica essa temporada?
Mais ou menos. Nós começamos bem, vencemos duas das três primeiras corridas. Porém, de Cascavel em diante, quando eu estava na frente e tive uma quebra, as coisas começaram a não dar mais certo. Sofri com toques, quebras, acidentes e, assim, acabei ficando de fora da briga pelo título. Comecei a pilotar na defensiva porque não tinha mais margem. Foi um ano difícil, sem a mesma confiança de antes. O que eu espero é deixar isso mesmo para trás e começar 2017 da mesma forma que fizemos em 2016. 

Para 2017 várias novidades, inclusive no time, com a chegada do Denis Navarro e do Cacá Bueno. Qual sua expectativa?
Tem tudo para ser uma disputa bem bonita dentro da equipe. A gente sabe o limite de tudo, mas vamos trabalhar pela mesma equipe e patrocinador. Ou seja, quatro carros iguais correndo pela vitória. Acredito que o time tem tudo para ser um dos mais fortes da história, afinal temos três campeões. Felipe com um título, assim como eu e o Cacá com cinco. Não sei o que pode acontecer em relação a brigas, mas com toda certeza vamos trabalhar juntos para disputar as primeiras posições.

Como você vê o trabalho da Pirelli na Stock Car?
Sem dúvida é algo excepcionalmente diferencial no país. Não temos outro fabricante que passe tanta confiança e tenha tamanha estrutura como a Pirelli. Isso tudo resulta em uma tecnologia que vai dos carros de corrida para os de rua, usando a Stock Car como um grande laboratório. Trabalho com a Pirelli desde 2006, na Stock Light, ficamos alguns anos com outro fabricante, mas voltamos a ter o apoio da Pirelli e todos estão muito contentes com o trabalho de todos. Temos a oportunidade de competir com um produto que não apresenta qualquer falha nos nossos carros.

Saiba mais
Related Stories
Product info
Pirelli cutting edge tecnology at its best
Discover the new P Zero
Find & Buy
Select the product that fits for you
Find the best Tyre for your car
race