road

Ciclismo combina saúde com bem-estar e diversão

Um dos esportes mais democráticos que existem, o ciclismo é uma ótima opção para os mais diferentes tipos de pessoas

Home road Ciclismo combina saúde com bem-estar e diversão
Ciclismo combina saúde com bem-estar e diversão

“Para mim, não importa se está chovendo, se o sol está brilhando ou o que quer que seja: enquanto eu estiver andando de bicicleta, eu sei que sou o cara mais sortudo do mundo”. A frase é do ciclista britânico Mark Cavendish, mas resume muito bem o sentimento de muitas pessoas que veem o ato de pedalar como um exercício prazeroso em que a sensação de liberdade compensa todo o esforço.

O ciclismo já fazia parte da rotina de muita gente, mas a venda de bicicletas teve um grande aumento durante a pandemia, já que é um meio de transporte seguro para manter o distanciamento social indicado pela Organização Mundial de Saúde. Segundo um levantamento feito pela Aliança Bike (Associação Brasileira do Setor de Bicicletas) com lojistas, fabricantes e montadores do país, ao longo de 2020 e janeiro deste ano, o mercado teve uma média de 50% de aumento nas vendas em comparação a 2019.

Marcelo Santos – Crédito: arquivo pessoal


Além de diminuir o tempo nos percursos em grandes cidades e reduzir a emissão de poluentes, a bicicleta colabora com a saúde física e mental dos ciclistas. Prova disso é o que aconteceu com o gerente de trade marketing, Marcelo Santos. Com sobrepeso, dores nos joelhos e crises de ansiedade, ele viu na bicicleta uma maneira de se exercitar e ter uma melhor qualidade de vida. “O pedal me libertou de tudo isso. O mais impressionante é que foi melhorando de forma gradativa e, sem perceber, deixei para trás hábitos que não faziam bem”.

A coordenadora da pós-graduação de medicina do esporte e do exercício do Instituto D’Or de Pesquisa e Ensino (IDOR), Verônica Vianna, explica que o ciclismo melhora o condicionamento físico, desenvolve o equilíbrio e contribui com a perda de calorias ao acelerar o metabolismo. “A prática fortalece a musculatura dos membros inferiores sem os efeitos indesejados do impacto nas articulações. Auxilia na promoção da saúde do coração, contribuindo com a redução da pressão arterial. E está relacionada à liberação de endorfinas, reduzindo o estresse, muito comum neste período de confinamento”.

Eduardo Netto – Crédito: arquivo pessoal


Para o diretor técnico da rede de academias Bodytech, Eduardo Netto, as pessoas redescobriram o prazer do ciclismo pela necessidade de fazer uma atividade ao ar livre e a preocupação com a saúde mesmo em tempos de pandemia. “É um esporte democrático, são poucas as chances de lesão e é de baixo impacto. Mesmo quem não pedala há muito tempo se acostuma com facilidade. Basta começar devagar, com uma intensidade leve, e depois fazer um alongamento da coluna, braços e membros inferiores”.

De acordo com Verônica, as lesões relacionadas ao ciclismo geralmente são de natureza traumática, que podem ser minimizadas com o uso de equipamentos de segurança, ou lesões de sobrecarga, por excesso de treinos, déficit de fortalecimento e desequilíbrio muscular, além do bike fit (ajuste da bicicleta de acordo com o tipo físico do ciclista) inadequado. 

O vice-presidente da Aliança Bike, André Ribeiro explica que as bicicletas têm tamanhos diferentes e é preciso saber o tamanho do quadro antes da compra. “Para pedalar na cidade, é importante procurar uma bicicleta que seja de uso urbano e não de mountain bike. Dê preferência para pneus mais lisos e finos porque os pneus com cravos são feitos para a terra. E se você mora em uma cidade com subidas, opte por uma bicicleta com marcha e o ideal é que tenha aro 700c.

Bicicleta elétrica

Segundo a Aliança Bike, houve uma forte migração do uso do carro para a bicicleta elétrica: 56% das pessoas que a utilizaram no ano passado para trabalhar ou estudar costumavam se deslocar de automóvel. “Além dos benefícios inerentes ao uso da bicicleta, como ser um transporte saudável e que não polui, tem o ganho da mobilidade urbana em diversas cidades”, afirma o diretor executivo da associação, Daniel Guth.

Já para quem quer se tornar um ciclista profissional, existem diversas modalidades extremamente técnicas e com um alto nível de tecnologia. No Brasil, o mountain bike cross country é o mais praticado por quem gosta de se exercitar ao ar livre e exige bicicletas robustas, com pneus mais largos e com cravos, que sempre possuem amortecedores. No caso do mountain bike downhill, as bicicletas são ainda mais robustas por serem usadas para descidas nas montanhas ou em competições como a Descida das Escadas de Santos.

Para quem quer apenas se exercitar, Netto afirma que a bicicleta é um bom começo para sair do sedentarismo, mas é preciso que haja uma mudança de hábitos para ter resultados melhores. “É preciso que se transforme em um lazer e faça parte da rotina. Pode só pedalar de fim de semana porque qualquer exercício é melhor do que nenhum. Mas um mês de prática já é o suficiente para perpetuar o hábito”, afirma ele.

Marcelo Santos – Crédito: arquivo pessoal


Devagar e sempre, sem cobranças ou comparações. Esse é o conselho de Santos, que atualmente pedala 30 quilômetros em um treino durante a semana e nos finais de semana faz de 100 a 160 quilômetros, além de treinar na academia. “O mais importante é começar. O objetivo deve ser se superar e não ser melhor do que os outros. Procure locais como ciclovias para ir se acostumando com o pedal e também por grupos que têm o mesmo objetivo que o seu”.

Para ele, além de reduzir os engarrafamentos e contribuir com o meio ambiente, a bicicleta traz uma sensação de liberdade e bem-estar que os outros esportes não proporcionam. “Dificilmente encontraremos um ciclista em um momento de lazer em que não esteja com um sorriso no rosto”, finaliza Netto.

Saiba mais
Informação do produto
O melhor da tecnologia de ponta da Pirelli
Descubra o novo P Zero
Encontre
Selecione o produto sob medida para você
Encontre o melhor pneu para seu carro
road