race

Luna Rossa, o vento dá poder

Para aproveitar ao máximo o vento, a vela principal foi feita com 20.000 km de fios de carbono

Home race Luna Rossa, o vento dá poder
Luna Rossa, o vento dá poder

É fácil encontrar coisas em comum entre um carro e um barco a motor. Mas se torna mais difícil quando o barco é um iate à vela: o casco (ou os cascos, no caso de um catamarã ou trimarã) corresponde ao chassi e o conjunto de velas – incluindo o mastro – corresponde ao propulsor. Porém, há uma grande diferença em relação a um motor, seja ele a combustão ou elétrico: o "combustível" não está disponível em um posto e mesmo quando está disponível, ele precisa, antes de tudo, ser gerenciado. O vento, mesmo em áreas consideradas confiáveis, muda tanto de intensidade quanto de direção. E isso de acordo com a lógica de que, às vezes, os velejadores podem prever, seja com base na experiência pessoal e em uma instrumentação cada vez mais sofisticada. Mas às vezes, mesmo os mais habilidosos deles erram, mesmo que sejam espetaculares. E não há nada mais frustrante para um piloto de regata esperando para tirar o melhor proveito da força do vento do que ficar sem ela.

As duas forças

Para entender a importância do vento no movimento do barco, é importante esclarecer a relação entre a força aerodinâmica e a força hidrodinâmica. Numa situação de vento zero que aumenta gradativamente, um veleiro parado – com a vela mestra içada – começa a se mover e se deslocar lateralmente devido ao efeito da força aerodinâmica. O deslocamento do casco imerso na água, por sua vez, gera uma força hidrodinâmica. O resultado das duas forças combinadas é uma nova força – conhecida como força do vento contrário – direcionada para a proa do barco. O barco acelera até que as duas forças se tornem iguais e opostas, ponto em que a velocidade se torna constante. Conforme o vento diminui, a desaceleração ocorre, assim como a aceleração pode ocorrer se o vento aumentar – é importante ter em mente que muita potência pode causar problemas. A função do lastro sob a quilha, característica dos barcos tradicionais, é evitar que quando rebatidos de perto – a ponta da vela contra o vento –, o vento "empurre" lateralmente as velas e, sem um peso oposto à força, o casco se incline e gere perigos.

A batalha das velas

As velas têm, portanto, a tarefa de "recolher" o vento na medida certa para procurar o melhor desempenho possível, o que, no entanto, também depende de dois outros fatores: a qualidade hidrodinâmica do casco e as capacidades da tripulação. Portanto, agora podemos vincular isso ao conceito de automobilismo: apenas uma mistura entre chassi, motor e motorista pode levar ao sucesso – apenas dois deles dificilmente são o suficiente e, ainda mais raramente, só um. Consequentemente, é perfeitamente compreensível como o design dos cabos e das velas foi vital desde o início do iatismo. Assim como o fato de a America’s Cup constituir o principal laboratório para testar todo o progresso técnico: por cem anos, foram os campeões americanos que lançaram os novos recursos certos na hora certa, algo que seus rivais muitas vezes não poderiam fazer. Mas desde o triunfo do Australia 3 – em Newport, em 1983 – muitos desafiadores também conseguiram surpreender quando se trata de velas. O ponto positivo do experimento foi a posterior adaptação das novas funcionalidades em barcos normais, assim como acontece nas corridas de automóveis, a partir da F1. Materiais como kevlar, mylar, fibra de carbono – agora comuns – foram introduzidos na America’s Cup.

Agora há a asa macia

O AC 75 – a America's Cup class – tem mais uma característica que por um lado melhora e por outro torna as coisas um pouco mais complicadas. Aqui está o sistema foil cant: são  “braços” de alumínio que ficam na água e dão a estabilidade necessária. Ao longo do percurso, a lâmina de sotavento fornece o impulso de elevação para o barco, enquanto a lâmina de barlavento fornece o impulso de endireitamento (uma vez que não há um bulbo sob a quilha para atuar como lastro) e evita o emborcamento – exceto no caso de erros ou situações forçadas. Além disso, o barco tem uma asa macia, que consiste em uma vela principal dupla. As películas de vela dupla combinam-se com a longarina para formar uma asa. A asa macia gera a mesma eficiência de uma asa rígida – resistindo mais à força do vento – mas com uma facilidade de uso semelhante à de uma vela tradicional. É uma engenhoca altamente sofisticada: são 20.000 km de fios de carbono são usados para fazê-lo, enquanto outros 5.000 são necessários para tecer cada lança e 12.000 para cada Código Zero para a vela navegar contra o vento. O poder de Éolo, o deus do vento, não é fácil de dominar, mas na America's Cup eles sabem como lidar com ele.

Saiba mais
Informação do produto
O melhor da tecnologia de ponta da Pirelli
Descubra o novo P Zero
Encontre
Selecione o produto sob medida para você
Encontre o melhor pneu para seu carro
race