life

WeFeedTheFuture (“Nós Alimentamos o Futuro”): histórias da Expo 2015

Dois “correspondentes especiais” da Universidade de Princeton para um novo ponto de vista da Expo Milão

Home life WeFeedTheFuture (“Nós Alimentamos o Futuro”): histórias da Expo 2015
WeFeedTheFuture (“Nós Alimentamos o Futuro”): histórias da Expo 2015

Um relatório da Expo do ponto de vista de dois jovens que fizeram dos Estudos Italianos um foco para sua educação e desenvolvimento. A Pirelli convidou um físico e um matemático para contar a história da Expo Milão, especificamente Miloš Nikolić (Montenegro) e Gregory A. Kufera (EUA), dois estudantes brilhantes de Princeton que saíram em uma “caçada por inovação” por meio de diversos pavilhões, documentando essa aventura com fotos criativas, vídeos e comentários, que foram compilados em uma história contada em um novo formato.

Isso resultou no WeFeedTheFuture, um projeto e um site que a Pirelli criou para oferecer uma visão nova e exclusiva sobre a Expo Milão 2015. “Inovação é a descontinuidade entre o presente e o futuro, e é nossa responsabilidade divulgá-la”, disse Gregory A. Kufera.


UMA HISTÓRIA PARA CONTAR
Tudo o que os dois exploradores da Pirelli viram foi organizado em quatro vertentes – Inovação, Sustentabilidade, Emoções e Arte e Cultura – para proporcionar uma experiência estimulante  ao usuário deixando-o livre para fazer descobertas e se maravilhar. Tanto o texto quanto as imagens são distribuídos ao longo de um globo virtual que orbita em torno de inovação, o que é sempre o caso do dia a dia de quem trabalha na Pirelli. 


“Almejar superar os limites de nossas ideias atuais. Isso é inovação”, disse Miloš, que, juntamente com Gregory, destinou a cada continente matérias e imagens, imagens frequentemente criadas por meio de técnicas artísticas, como a câmera plenóptica utilizada no Pavilhão Zero, enquanto nos levaram a uma jornada para descobrir algumas das melhores e mais originais criações da Expo 2015. O estilo de cada vídeo e cada galeria de imagem foi especialmente escolhido para realçar as características ímpares de cada um dos diversos pavilhões.  Ponto de vista, fotografia time-lapse, motion graphics, vídeo interativo em 360°, fusão fotográfica, vídeos infográficos, fotografia infravermelha e muito mais. O denominador comum? Curiosidade e experimentação.

O INÍCIO DE UMA VIAGEM 
A jornada se inicia no Pavilhão Zero, com uma reflexão sobre a África, na qual nossos dois estudantes observam: “Muitas mentes empreendedoras na África […] aceitaram o desafio de combater a desnutrição e estão buscando novas soluções para devolver ao continente sua condição anterior de prosperidade”. Seguimos para a Europa, onde o Pavilhão do Reino Unido centra-se na importância das abelhas para nosso ecossistema. “A inovação está no centro das soluções que a Expo Milão 2015 procura inspirar. Cada país tem consciência de que precisa estimular pesquisas científicas para conduzir a indústria alimentícia em direção a uma produção mais sustentável e eficiente. Os criadores do pavilhão do Reino Unido orientaram seu escopo para descrever um pequeno, mas importante, fragmento de sua pesquisa científica, e criaram uma apresentação bastante acessível, mesmo para os visitantes mais jovens”, disseram nossos jovens repórteres.


É o Pavilhão da China que melhor caracteriza a inovação na Ásia, principalmente com as soluções inovadoras do país para desenvolvimento da agricultura. “No pavilhão chinês, podemos testemunhar a importância da tradição da produção de alimentos e a constante evolução através do tempo. […] A experiência chinesa é uma contribuição preciosa para a discussão em torno do tema da Expo Milão 2015. 


Para a América, o pavilhão dos Estados Unidos nos traz “uma das maiores fazendas verticais à Expo Milão 2015, uma tentativa de nos encorajar ao uso de jardins verticais em cidades grandes da América do Norte e do mundo”.


O QUE PODE SER FEITO
Miloš e Gregory são muito pragmáticos ao longo de suas jornadas. Sustentabilidade não é uma variável independente. Aqui, novamente, vemos a África no centro da questão com uma ênfase particular sobre o World Access to Modern Energy (WAME), uma associação que trabalha para eliminar a desigualdade no uso de “energia moderna” para que todos tenham acesso à eletricidade. Para a Europa, os dois estudantes descobriram que o pavilhão da Áustria é o que melhor aborda a questão da sustentabilidade por meio do enfoque no ar como fonte primária da alimentação humana. “A floresta no pavilhão provê oxigênio suficiente para manter 1.800 pessoas a cada hora. Esse pavilhão, como um todo, é em si um protótipo de tecnologia sustentável”.


O foco nas sementes da indústria futura para proteger o planeta é a ideia central subjacente à política industrial da Malásia, e a semente, simbolizando crescimento, é o tema recorrente em todo o pavilhão, que destaca uma trajetória por meio de quatro sementes da floresta tropical do país. O exterior da exposição é construído com madeira laminada inovadora, ou “glulam”, feita de materiais locais e sustentáveis. Depois da Expo 2015, a estrutura será desmontada e remontada na Malásia.


O pavilhão do Brasil é o que caracteriza da melhor forma a sustentabilidade 
alimentar nas Américas.   “A construção inovadora do pavilhão do Brasil é ao mesmo tempo interessante do ponto de vista visual e também demonstra técnicas arquitetônicas criativas que refletem as soluções sustentáveis que o Brasil traz a esse pavilhão”, concluem os dois estudantes.

 

OUTRA MANEIRA DE AGIR
Respeito pela diversidade e a promoção da diversidade em si são aspectos distintos da esfera de Emoções. Aqui, Miloš e Gregory concentram sua atenção na Slow Food, a associação internacional sem fins lucrativos envolvida na proteção de diversidade culinária ao redor do mundo, respeitando o meio ambiente, ecossistemas e tradições locais.


“Somente por meio do comprometimento em encontrar pontos fortes na diferença é que nossas soluções concretas e criativas poderão ser usadas para solucionar os maiores problemas de nosso planeta”, dizem eles.

UMA ARQUITETURA DE IDEIAS
A Expo Milão 2015 diz respeito à arte e cultura. “O pavilhão dos Emirados Árabes Unidos na Expo Milão 2015 é uma estrutura impactante e impressionante. A entrada é estruturada por muros de areia de doze metros. As dunas verticais sinuosas dessas paredes convidam os visitantes aos Emirados.”


Na Europa, até mesmo uma pequena nação como Montenegro revela uma grande cultura. “[O pavilhão] apresenta uma combinação elegante de cordas e espelhos que refletem o charme do interior de Montenegro”, diz um dos dois repórteres na entrada.
Design estético e diversidade são aspectos do Extremo Oriente. Os três pavilhões asiáticos escolheram estruturas de madeira, cada um deles de maneira criativa a seu modo, para representar culturas do Vietnã, Tailândia e Japão.


Uma nova arte de mídia, por outro lado, pode ser encontrada na Coreia do Sul. Para realmente convencer sobre seu tema “Você é o que você come”, eles usam diversas técnicas multimídia com estética minimalista para envolver o visitante de maneira empática e emocional. Vídeo é a mídia mais utilizada, com mais de uma centena de imagens sendo projetadas ao longo da exposição. O vídeo-performance “Symphony of Food“ é um excelente exemplo de projection mapping.


A Pirelli, também, sempre foi uma organização nutrida pela cultura, e a Fundação Pirelli vem atuando há mais de um século para conservar a cultura de empreendimento do grupo. Atualmente, o compromisso da empresa também pode ser visto no enorme sucesso das exposições do HangarBicocca, o espaço de arte contemporânea que é administrado e patrocinado pela Pirelli.

Saiba mais
Relacionadas
Informação do produto
O melhor da tecnologia de ponta da Pirelli
Descubra o novo P Zero
Encontre
Selecione o produto sob medida para você
Encontre o melhor pneu para seu carro
life