life

Um caminho mais verde
para a indústria automotiva

Desde o lançamento de veículos elétricos até a renovação de suas cadeias de suprimentos e instalações, as montadoras estão caminhando para um futuro mais sustentável

Home life Um caminho mais verde
para a indústria automotiva
Um caminho mais verde
para a indústria automotiva

James Bond está ficando verde. Depois de décadas de decadência, de beber Bollinger a desfilar ternos Savile Row, 007 saltará para o volante de um carro elétrico em seu próximo filme. Sabidamente será um Aston Martin Rapide E, então ele dificilmente está desistindo da boa vida, mas é um sinal dos tempos em que Bond começa a lutar contra as mudanças climáticas tanto quanto ele faz com vilões.

A pressão para se comportar de forma mais sustentável está aumentando e a indústria automotiva, que tradicionalmente conta com o motor de combustão interna produtor de carbono, sabe que precisa se adaptar.

Os veículos elétricos (EVs) são uma solução e a indústria automobilística pisou fundo no acelerador na corrida para desenvolver modelos cada vez mais eficientes. As vendas globais de veículos elétricos plug-in (PEVs) cresceram para quase 1,9 milhão em 2018, um aumento de mais de 70% em relação a 2017, de acordo com um novo relatório da Navigant.

No entanto, com os EVs esperados para representar apenas 8% do novo mercado de carros até 2025, de acordo com a IHS Markit, a indústria sabe que precisa fazer mais. Seus produtos devem ser mais ecológicos, desde pneus até a luz traseira, mas também seus sofisticados processos de produção internacional.

Um caminho mais verde para a indústria automotiva

O efeito elétrico

A indústria automotiva está totalmente comprometida em impulsionar sua produção de EVs, e não são apenas os urbanos como o Nissan Leaf que estão ficando elétricos. Marcas de luxo, mesmo aquelas reconhecidas por seus enormes e poderosos motores de combustão, estão passando por uma mudança de paradigma.

A Porsche, por exemplo, está investindo US$ 6,8 bilhões para eletrificar metade de seus modelos até 2025 e planeja estrear seu primeiro carro elétrico, o Taycan de 600cv, este ano. Até 2025, até a Bentley, marca famosa por seu luxo intransigente a gás, oferecerá versões híbridas ou elétricas de todos os seus modelos.

"As empresas estão se tornando mais sustentáveis", diz Diana Verde Nieto, CEO e cofundadora da Positive Luxury, empresa por trás da marca Butterfly Mark que é concedida a marcas sustentáveis. "Eles não podem dar ao luxo de não. As coisas que as pessoas compram não são mais apenas coisas, eles fazem parte de uma história corporativa mais complexa. A mudança climática é uma realidade."

Construindo um futuro melhor

Para maximizar seu impulso em direção a um futuro mais verde, os fabricantes de automóveis não estão apenas fazendo novos produtos pioneiros, mas também repensando radicalmente a maneira como os produzem.

Pegue o novo Bentley. O revestimento de nozes do painel é feito a partir de uma árvore que caiu naturalmente, e mesmo assim, uma nova é plantada em seu lugar. Mais de 30.000 painéis solares fornecem até 40% de sua energia de fábrica e o resto é de fontes verdes certificadas.

"Para fornecer uma cadeia de valor totalmente neutra em carbono, as mudanças mais radicais são necessárias em eficiência, renováveis e circularidade", diz Viktorija Stojcheva, consultora sênior de soluções de sustentabilidade da Navigant. "Esse objetivo requer transformações em toda a cadeia de valor, incluindo fornecimento de matérias-primas, processo de fabricação, carregamento, fase de uso e reciclagem."

Um bom exemplo dessa transformação corporativa, que exige investimentos e reestruturações significativas, está em andamento na Volkswagen, onde a nova plataforma de carros elétricos iD desempenhará um papel fundamental no esforço da empresa para reduzir as emissões de sua frota de veículos a zero até 2050.

Em 2019-20 está investindo €870 milhões em componentes elétricos, cada etapa do processo de fabricação, incluindo a de fornecedores, está o microscópio. Apenas energia renovável será usada em suas fábricas e uma divisão de componentes atualizados será responsável por todos os aspectos do armazenamento de energia, desde a produção de células e bancos de carregamento móvel até a reciclagem de baterias. O objetivo é reutilizar 97% de todos os materiais de bateria retornados do mercado até o final da década de 2020.

"Este é um passo fundamental para todo o grupo", explica o Dr. Stefan Sommer, membro do Conselho de Administração do Grupo Volkswagen responsável pelos componentes e aquisições.

Aí vem o sol?

O armazenamento de energia está no centro da revolução automotiva verde, por isso não é surpresa que uma enorme quantidade de tempo e dinheiro esteja sendo gasto tornando as baterias mais baratas, em grande parte alcançando economias de escala, e mais eficientes.

Por exemplo, a CATL, uma grande produtora chinesa de baterias que fornece BMW, Volkswagen, Nissan e Renault, está elevando sua capacidade de bateria de íons de lítio para 50GWh até 2020, um aumento notável de dez vezes.

A busca também é para a próxima grande coisa no design de baterias, incluindo o desenvolvimento de tecnologia de estado sólido e fontes alternativas de energia. Muitos acreditam que o carro movido a energia solar é apenas um sonho, mas uma startup holandesa chamada Lightyear declarou que está lançando o Lightyear One, um carro que pode dirigir por meses sem carregar. "É um passo revolucionário na mobilidade elétrica", afirma Lex Hoefsloot, CEO da empresa.

James Bond dirigindo um Poderoso Aston Martin elétrico é uma coisa, mas o carro movido a energia solar em massa ainda é uma fantasia. A indústria automotiva pode estar mudando rapidamente, mas, em seu compromisso de ser mais sustentável, está mesclando pensamento criativo com um realismo comercial duro.

Saiba mais
Informação do produto
O melhor da tecnologia de ponta da Pirelli
Descubra o novo P Zero
Encontre
Selecione o produto sob medida para você
Encontre o melhor pneu para seu carro
life