A Pirelli embarcará em sua campanha do Campeonato Mundial de Rali de 2021 com dois dias de testes particulares de pneus hoje e amanhã na Sardenha, Itália. As atividades estão divididas com o primeiro dia dedicado ao desenvolvimento no cascalho e o segundo dia no asfalto.

Ao volante do Citroën C3 WRC de teste da Pirelli estará o norueguês Andreas Mikkelsen, com seu copiloto e compatriota Anders Jaeger. O ex-piloto de fábrica da Volkswagen, Citroën e Hyundai, estará liderando o desenvolvimento dos pneus Pirelli Scorpion de última geração para cascalho e os P Zero para asfalto, que serão fornecidos exclusivamente ao Campeonato Mundial de Rali de 2021 a 2024.

Embora o programa de testes tenha sido interrompido pela pandemia da Covid-19, a Pirelli ainda está no caminho para entregar seus novos pneus para o campeonato do próximo ano, que começará com o mundialmente famoso Rali de Monte Carlo, de 18 a 24 de janeiro.

Supervisionando o programa de testes, o gerente de atividades de rali da Pirelli, Terenzio Testoni, lidera uma equipe seleta de pesquisadores na Sardenha, desenvolvendo os pneus com o apoio de muitos outros especialistas nas instalações de pesquisa e desenvolvimento da Pirelli, em Milão.

O objetivo da Pirelli nesses primeiros testes será estabelecer uma linha de base e avaliar como o aumento da potência e da pressão aerodinâmica dos mais recentes carros do WRC afetam o desgaste, o desempenho e a degradação dos pneus.

“Isso será particularmente importante quando se trata de cascalho”, explicou Testoni. “No campeonato mundial, cerca de 80% dos eventos são em cascalho. Felizmente, as estradas de cascalho em que estamos testando, que antes eram usadas no Rally d’Italia, estão entre as mais exigentes do mundo”.

O calor intenso, acima de 30 graus centígrados, aumentará o desafio. A escolha dos estágios usados anteriormente no campeonato mundial é deliberada, fornecendo um ponto de referência estabelecido quando a equipe retornar posteriormente no programa de desenvolvimento.

“É importante trabalharmos metodicamente para medir nosso progresso com precisão”, acrescentou Testoni. “Começamos com a base de um pneu testado e confiável e, em seguida, usaremos uma série de protótipos para ver onde podemos adicionar desempenho e durabilidade. A tarefa é particularmente complicada quando se trata de rali, pois, diferentemente de um circuito, as condições da estrada e da aderência estão mudando constantemente. Mas voltaremos a essas estradas no futuro para ver como as mudanças que fizemos nos protótipos de pneus melhoram seu desempenho”.

A equipe de testes da Pirelli pretende percorrer cerca de 200 quilômetros por dia, superando confortavelmente a distância diária observada em um rali do Campeonato Mundial. Após o teste de dois dias na Sardenha, os engenheiros da Pirelli analisarão os dados resultantes antes que o programa continue no próximo mês.