O Grande Prêmio da França, no Circuito Paul Ricard, perto de Marselha, será disputado pela segunda vez desde que reapareceu no calendário da Fórmula 1, no ano passado. A Pirelli trará o composto C2 como o composto mais duro, o C3 como médio e o C4 como macio: a mesma nomeação dos GPs da Austrália, China e Azerbaijão. A França, seguida pela Áustria, no próximo fim de semana, também marca a primeira de cinco “dobradinhas” seguidas neste ano.

CARACTERÍSTICAS DA PISTA

· O circuito foi amplamente recapeado no ano passado, com quase todos as curvas – aproximadamente um terço da volta – tendo recebido um novo asfalto. Isso é de especificação semelhante ao asfalto existente, o que deve fornecer uma superfície consistente ao longo de toda a volta.
· O asfalto é bastante liso, o que significa que a degradação do pneu é geralmente baixa. Todavia, o clima quente esperado nesta época do ano no sul da França poderá levar a alguma degradação térmica.
· O Circuito de Paul Ricard exige muito mais das forças laterais do que em tração e frenagem. Isto deve tornar mais fácil encontrar o equilíbrio certo entre a temperatura dos pneus dianteiros e traseiros – mesmo que a longa reta Mistral, de 1,8 km (com uma chicane no meio) possa resfriar os pneus dianteiros e que existam algumas zonas de frenagens pesadas.
· A curva 13 tem a segunda maior demanda contínua de energia do ano, depois da curva um da China.
· A estratégia de uma parada, usada pela maioria dos concorrentes, foi a vencedora no ano passado. Ela foi influenciada por um carro de segurança no começo da prova, que saiu após a volta de abertura e ficou durante cinco voltas.
· Com 5,8 km no total, esta é uma das maiores voltas do ano, com várias oportunidades de ultrapassagem.

MARIO ISOLA – GERENTE MUNDIAL DE MOTORSPORT DA PIRELLI

“Nossa escolha de pneus para este fim de semana é um pouco mais conservadora do que os pneus macios, supermacios e ultramacios que trouxemos no ano passado. Consequentemente, os pilotos devem estar liberados para acelerar do começo até o final de cada trecho. Junto com Barcelona e Silverstone, já havíamos usado os pneus com banda de rodagem mais fina aqui no ano passado, então poderemos fazer uma comparação direta e entender como os carros evoluíram desde 2018. Embora uma grande parte do circuito tenha recebido um novo asfalto, isso não deve fazer muita diferença para as características da pista. Como esta é apenas a segunda vez no circuito, as equipes ainda não têm total conhecimento da pista, então ainda veremos muito aprendizado. Nós já usamos Paul Ricard para testar este ano, mas isso foi em uma configuração diferente de traçado, usando uma pista muito mais curta do que no circuito do Grande Prêmio completo”.

OUTRAS NOTÍCIAS DA PIRELLI
· O Grande Prêmio da França é outra corrida em que a Pirelli é patrocinadora, logo após seu envolvimento da etapa do Canadá.
· Ao contrário das corridas recentes, as três melhores equipes fizeram seleções de pneus praticamente idênticas. A exceção é Max Verstappen, da Red Bull, que escolheu um conjunto extra de médios comparado aos seus rivais. De um modo geral, a ênfase está no pneu vermelho, macio.
· A Fórmula 2 retorna, junto com a Fórmula 3, na França, neste final de semana. O primeiro teste apropriado dos pneus de 18 polegadas para a Fórmula 2 no próximo ano acontece esta semana na Espanha, após um shakedown em Mugello no mês passado.