As voltas podem ser até dois segundos mais rápidas em comparação com o ano passado: uma diferença de mais de um segundo é esperada entre os compostos macios e médios

Nova estrutura traseira dos pneus aumenta a tração, o desempenho e a durabilidade

Os pneus P Zero Branco médio e P Zero Amarelo macio foram os pneus escolhidos para o Grande Prêmio da Austrália, disputado no circuito semipermanente de Albert Park, em Melbourne. A pista tem uma superfície escorregadia, com baixa aderência, alta pressão aerodinâmica e frenagens fortes, fatores que aumentam a exigência dos pneus.

Paul Hembery, diretor de motorsport da Pirelli: “A nossa quinta temporada de Fórmula 1 começa no circuito da Austrália: uma das corridas mais emocionantes do ano, pois é o início de uma nova temporada realizada em um local muito desafiador, popular e imprevisível. Assim como no ano passado, escolhemos os compostos médios e macios, que cobrem as diversas condições de uso possíveis em Melbourne. A nova estrutura traseira aumenta a tração e ajuda os pilotos a retomar a aceleração mais cedo: um dos fatores que possibilitou os tempos das voltas serem mais rápidos este ano. Como sempre no início da temporada, há grandes pontos de interrogação sobre o desempenho dos carros. O que sabemos com certeza é que a performance irá inevitavelmente aumentar ainda mais ao longo do ano, o que naturalmente terá um efeito na interação entre os carros e os pneus. O comportamento dos pneus estava em linha com as nossas expectativas durante os treinos pré-temporada, mas é claro que não se pode comparar treinos com corridas de verdade, quando os pilotos aceleram até o limite. É por isso que este fim de semana em Melbourne é tão esperado por todos.”

Os maiores desafios para os pneus

Desde 1996, Albert Park substitui Adelaide para sediar o GP da Austrália. Sendo um circuito semipermanente, a pista está geralmente “verde”: suja e escorregadia, especialmente no início do fim de semana. Isso faz com que os pilotos tenham que esterçar o volante com mais intensidade, mesmo sem tração, o que leva a um maior grau de degradação dos pneus. O torque da nova geração de motores turbo híbridos acentua esse problema.

Aceleração e frenagem são as chaves para uma boa performance em Melbourne. As forças longitudinais que agem sobre os pneus são maiores que as laterais. A aprimorada tração combinada dos pneus P Zero deste ano marca um significativo passo adiante nessa área.

O pneu traseiro esquerdo é o mais exigido em Melbourne, com 10 curvas para a direita e seis para a esquerda. O asfalto é muito liso, o que ajuda a estender a vida útil do pneu e permite que as equipes aumentem a pressão aerodinâmica. Há muitas curvas de baixa, o que exige bastante aderência mecânica dos pneus.

Uma estratégia boa e potencialmente flexível, e a habilidade de cuidar dos pneus rendem bons dividendos no GP da Austrália que, geralmente, é afetado por safety cars e um clima imprevisível. Entre os pilotos atuais, Jenson Button é o mais bem sucedido na Austrália, com três vitórias, enquanto a McLaren é a equipe com melhor retrospecto, com 11 vitórias.

Estratégia do ano passado e como a corrida foi vencida

Nico Rosberg venceu a corrida para a Mercedes, largando da terceira posição do grid (a maior parte do Qualifying foi disputada com chuva). Rosberg seguiu uma estratégia macio-macio-médio, que também foi usada pelos nove primeiros colocados da corrida. Rosberg fez sua primeira parada na 12ª volta e sua segunda na 38ª. A corrida teve um total de 58 voltas.

Diferença de tempo esperada entre os dois compostos: entre 1s2 e 1s5 por volta.

Os pneus escolhidos

P Zero Vermelho P Zero Amarelo P Zero Branco P Zero Laranja
Austrália Macio Médio
Malásia Médio Duro
China Macio Médio
Bahrein Macio Médio