Para a corrida em sua casa, em Monza, a Pirelli escolheu o P Zero Laranja duro e o P Zero médio, a mesma combinação utilizada em Spa para o GP da Bélgica. No entanto, enquanto a pista de Spa exerce muita energia lateral sobre os pneus, Monza demanda muita energia longitudinal, o que coloca forças consideráveis nos pneus e exige elevados níveis de aderência mecânica. Como o acerto será um compromisso entre os setores rápidos e lentos do circuito, os pneus desempenharão papel crucial em Monza, proporcionando várias oportunidades de estratégia.

O circuito foi palco do primeiro GP do qual a Pirelli participou, em 1925, quando Gastone Brilli Peri conquistou o título com um Alfa Romeo. Mesmo permanecendo igual por muitos anos, agora o circuito está muito diferente do layout original, embora o histórico da primeira pista permaneça como um monumento.

“Monza é, obviamente, a nossa corrida em casa, apenas cerca de meia hora de distância de nossa sede, em Milão. É muito fácil entender porque o lugar foi chamado de ‘o templo da velocidade’: é o circuito mais rápido da F1 e nas longas retas e curvas rápidas coloca-se muita energia nos pneus. Isso significa que bolhas e o superaquecimento dos compostos podem se tornar problemas se não forem controlados. Assim, a gestão correta dos compostos pode ter um efeito muito importante sobre a corrida e a estratégia, e isso é algo que as equipes irão avaliar durante os treinos livres na sexta-feira”, diz Paul Hembery, diretor de Automobilismo da Pirelli.

“Não apenas o desempenho dos pneus será testado, como também sua durabilidade, já que há muito impacto entre alta velocidade e freadas, que representam outro aspecto importante desta corrida. Monza é um dos circuitos mais populares do ano, com muitos tifosi, e estamos muito ansiosos por sua chegada.”

O circuito do ponto de vista dos pneus:

Cerca de 75% das voltas em Monza são feitas em plena aceleração, mas também existem algumas zonas de travagem forte, que colocam demandas igualmente pesadas sobre os pneus. Na passagem pela primeira chicane, a frenagem dos carros passa de 340 km/h para 80 km/h em apenas 150 metros.

As três áreas que trabalham os pneus mais duros em Monza são a primeira chicane (caracterizada pela frenagem pesada), a Variante Ascari (com rápidas mudanças de direção) e a famosa Parabólica – um canto longo e aberto que gera grandes forças laterais.