O Grand Prix japonês coloca as maiores cargas de energia sobre os pneus, em todos o ano, com os dois compostos P Zero que foram nomeados para a Suzuka – P Zero Silver duro e P Zero Yellow macio – indo às pistas pela primeira vez, durante as duas sessões de prática livre de hoje.

O piloto da McLaren, Jenson Button, o vencedor no Japão no ano passado, foi o mais rápido da primeira sessão, com um tempo de 1m34.507s: dois décimos de segundo mais rápido do que seu colega de equipe, Lewis Hamilton. Button usou o pneu duro para estabelecer seu tempo, faltando meia hora para a sessão terminar, deslocando Mark Webber, da Red Bull, que havia sido o mais rápido na sessão anterior, também com o pneu duro, usado exclusivamente por todos os pilotos na manhã.

Como sempre, os pilotos experimentaram o pneu macio pela primeira vez à tarde, com as temperaturas da pista próximas a 40 graus centígrados. Vitaly Petrov, da Caterham, foi o primeiro piloto a experimentar o composto Yellow, meia hora após o início da segunda sessão. Button, depois, foi o mais rápido em sua primeira volta com o pneu macio, mas o tempo mais rápido da sessão, e também do fim de semana, até então, foi estabelecido por Webber, com uma marca de 1m32.493s no P Zero Yellow, após uma hora de corrida. Os últimos 30 minutos da segunda sessão foram largamente devotados a longos abastecimentos pela maioria das equipes, em um circuito onde compreender a degradação é vital.

A primeira metade da volta em Suzuka é essencialmente uma série de curvas ininterruptas, o que aumenta a temperatura dos pneus rapidamente, mas também significa que o composto está constantemente trabalhando, sem chance de se resfriar. Asfalto novo foi colocado no ano passado, para a segunda metade da volta, que consiste principalmente em curvas de alta velocidade e raios largos mas, como costuma ser o caso, todo o circuito estava “verde” e escorregadio no começo da prática livre, antes de borracha ser colocada da linha de corrida.

O diretor de motoesportes da Pirelli, Paul Hembery, comentou: “As equipes tiveram bastante informação para assimilar durante as duas sessões livres de prática iniciais, e o composto macio provavelmente será o que a maioria dos líderes escolherão para se qualificar. Hoje, como sempre, a tarefa era compreender inteiramente o comportamento do pneu, estabelecer os pontos de cruzamento, e também coletar dados sobre a velocidade relativa do pneu usado para mais de uma volta, que é o motivo por que vimos tantos programas e ciclos diferentes. As equipes também avaliaram a degradação do pneu com diferentes cargas de combustível, que é informação vital para o dia da corrida. No ano passado, a estratégia dos pneus foi crucial, com Jenson Button vencendo pela McLaren a partir da segunda posição no grid, após conseguir ultrapassar, uma volta após sua primeira parada, Sebastian Vettel da Red Bull, que estava em primeiro lugar. Os três primeiros colocados fizeram três paradas em 2011, com três tentativas no composto mais macio e uma final no composto mais duro. Este ano, é mais provável que vejamos duas paradas, dependendo também dos fatores externos, como os safety cars e as condições climáticas. Temos muitos dados para examinar agora, mas esperamos que a diferença do desempenho entre os dois compostos esteja na região entre 1.0-1.2 segundos. Não há dúvidas de que Suzuka será extremamente exigente para com os pneus, mas com as habilidades de gerenciamento de pneus e estratégias de corrida corretas, haverá muitas oportunidades para desempenhos excepcionais. Isso não é menos do que os fãs extremamente entusiasmados merecem, pois nos receberam de braços abertos mais uma vez”.

Números do dia da Pirelli:

Conjuntos usados no geral:

Duro: 48
Macio: 23
Intermediário: 0
Molhado: 0

Maior número de voltas por composto:

Duro: 917
Macio: 314
Intermediário: 0
Molhado: 0

Corridas mais longas por composto:

Duro: 17 (Glock)
Macio: 19 (Kovalainen)
Intermediário: 0
Molhado: 0

Fatos do dia sobre a Pirelli:

Suzuka é um dos circuitos mais seletos do ano: desde 2003, somente pilotos campeões mundiais venceram.

Em sete dos últimos 10 grands prix no Suzuka, o homem na pole position acabou vencendo a corrida. Tal é o ritmo normal da ação que 19 carros concluíram a corrida de 53 voltas no ano passado – a primeira sessão da Pirelli na Fórmula Um – estabelecendo um recorde do maior número de carros a terminar a corrida na mesma volta que o vencedor.