road

Segurança primeiro, dispositivos de visão noturna nos carros

Os sistemas eletrônicos estão cada vez mais presentes nos carros, Como sistemas de visão noturna que ajudam o motorista em condições de baixa visibilidade

Home road Segurança primeiro, dispositivos de visão noturna nos carros
Segurança primeiro, dispositivos de visão noturna nos carros

É uma das tecnologias mais recentes e interessantes adicionada ao grupo de sistemas conhecidos como ADAS, projetado para auxiliar os motoristas a mitigar o risco de um acidente e, às vezes, até evitá-lo completamente. Dispositivos de visão noturna foram levados para o mundo automotivo diretamente do setor eletrônico, depois de terem sido instalados em câmeras e equipamentos ópticos especiais para ver em ambientes escuros e mal iluminados ou simplesmente à noite.

A experimentação vem após o uso militar. Os primeiros exemplos de sistemas de visão noturna datam da Segunda Guerra Mundial, quando conversores infravermelhos foram usados. Estes tubos de vácuo tornaram a luz infravermelha visível, mas não conseguiram amplificá-la. Foi durante a guerra do Vietnã que o desenvolvimento real de dispositivos de visão noturna ocorreu com as primeiras viseiras para pilotos de helicóptero e visores telescópicos para armas automáticas.

Segurança primeiro, dispositivos de visão noturna nos carros

A estreia em 2000

Sistemas de visão noturna em carros usam uma câmera termográfica para aumentar a percepção do motorista para ver no escuro ou em condições climáticas ruins muito além do alcance dos faróis.

A tecnologia foi introduzida pela primeira vez no Cadillac Deville em 2000, combinando instrumentos como câmeras infravermelhas, GPS, radar e Lidar. Este último é o acrônimo de Laser Imaging Detection and Ranging, uma técnica de sensoriamento remoto usada para determinar a distância de um objeto ou superfície usando um pulso laser.

Existem dois tipos de sistemas de visão noturna: passivo e ativo. Os sistemas anteriores são baseados em tecnologias que detectam a radiação térmica emitida por humanos, animais e outros objetos na estrada, enquanto estes últimos iluminam objetos a uma distância significativa usando fontes de luz infravermelha.

Mais sobre sistemas ativos...

Os sistemas de Visão Noturna Ativa exploram a capacidade das superfícies de refletir no espectro infravermelho próximo (ou seja, NIR com comprimentos de onda próximos aos da luz vermelha visível). Em outras palavras, as câmeras térmicas instaladas nos carros mostram a radiação refletida pelos objetos na cena pela iluminação ativa dos faróis e não as emissões dos próprios objetos. Claro, o ambiente continuará escuro para quem não usar uma viseira infravermelha.

Mais detalhadamente, as vantagens dos sistemas ativos são a alta resolução de imagens, a capacidade de detectar objetos inanimados de forma clara e melhor operação em condições climáticas normais. Entretanto, eles não se apresentam tão bem na neblina e na chuva, oferecem menos contraste para os animais e têm alcance menor (150-200 metros) em comparação com sistemas passivos.

As montadoras que seguiram essa tendência são a Toyota desde 2002 (a maior experimentação no campo tendo sido confiada à Lexus) e a Mercedes-Benz, que abordou o assunto em 2003 com o conceito F500 antes de tornar padrão o Night View Assist, dois anos mais tarde, na Classe S.

... e sobre os passivos

Sistemas passivos integram uma câmera de imagem térmica que funciona detectando a radiação infravermelha que todos os objetos emitem a uma temperatura diferente do ambiente. Isso implica que não há necessidade de iluminação por uma fonte externa. Os objetos são a fonte da radiação necessária pelo próprio sistema.

A imagem parece bastante diferente do que normalmente estamos acostumados. Câmeras térmicas detectam intensidades proporcionais às temperaturas superficiais dos objetos e as mais brilhantes são as mais quentes e não aquelas que refletem melhor a luz visível. Os prós dos sistemas passivos são um alcance de até 300 metros e o maior contraste para animais e pessoas, enquanto os contras incluem imagens granuladas, pior operação em condições climáticas mais quentes e a necessidade de montar um sensor maior.

Seguindo o conceito desses sistemas, que evoluíram de uma geração para outra, estão Audi (no A8 desde 2010), BMW (na Série 7 desde 2005), Honda (no Legend em 2004), o pioneiro anteriormente mencionado Cadillac e a DS, que desde que se tornou um marca autônoma no grupo PSA está avançando sobre o assunto com o seu carro-chefe DS7 Crossback.

Saiba mais
Relacionadas
Informação do produto
O melhor da tecnologia de ponta da Pirelli
Descubra o novo P Zero
Encontre
Selecione o produto sob medida para você
Encontre o melhor pneu para seu carro
road