life

Um mundo conectado é um mundo melhor

Drones de entrega, energia solar e celulares: novas tecnologias estão capacitando nações pobres, permitindo a elas desenvolver suas economias

Home life Um mundo conectado é um mundo melhor
Um mundo conectado é um mundo melhor

Quando pensamos em novas tecnologias mudando nosso estilo de vida, geralmente pensamos nos países desenvolvidos. Entretanto, são as sociedades de nações em desenvolvimento que as novas tecnologias estão afetando de forma mais impactante. Dos geradores de energia solar aos celulares, dos pagamentos com dispositivos móveis aos drones para entrega, todas as novas tecnologias “convergem para uma descentralização na produção e distribuição”, diz David Orban, fundador da Network Society Projet, um instituto think tank de Londres. Quando o encontramos em outubro em Milão, ele havia sido convidado a atuar como palestrante na conferência State of the Net. Ele declara que novas tecnologias possibilitam que empresas surjam em países africanos e asiáticos que não possuem uma infraestrutura tradicional. Por exemplo, graças aos drones é possível entregar mercadorias rapidamente, o que não podia ser feito por falta de boas estradas. Graças à energia solar, é possível operar máquinas em áreas remotas onde uma rede de conexão tornaria isso bem caro para ser viável. Da mesma forma, pagamentos com dispositivos móveis permitem operações bancárias em áreas com um sistema bancário parco. De acordo com Orban, o impacto mais importante das novas tecnologias se encontra no fato de que elas permitem a nações pobres superar a infraestrutura que não podem arcar em desenvolver. Com isso, a “vantagem diferencial” em usá-las é maior em países em desenvolvimento.

Você poderia explicar o conceito de “sociedade em rede”?
Primeiramente, temos de entender que a tecnologia sempre moldou a sociedade; por exemplo, a Revolução Industrial deu forma a uma nova classe trabalhadora urbana. Atualmente há muitas novas tecnologias, todas convergindo para uma descentralização das atividades: a tecnologia solar permite que pessoas e empresas produzam sua própria energia sem depender de uma produção centralizada; a impressão em 3D descentralizou ainda mais a produção em fábrica, e a impressão em 3D de carne está tornando a produção de comida mais descentralizada também. Quero dizer que essa mudança de uma produção centralizada para uma descentralizada resultará em uma “sociedade em rede”, na qual estados-nação e empresas serão transformados de forma impactante além de serem descentralizados, enquanto que as pessoas por si só terão sucesso por um novo caminho.

Algumas economias vêm crescendo na África. Esse modelo “fora de rede” para o desenvolvimento tornou possível às economias africanas emergirem?
Com certeza. Na década de 1980, as pessoas diziam que a África jamais teria serviços de telefonia pois não havia cobre o suficiente para estender os cabos em um continente tão grande.  Hoje, rimos dessa “previsão”, pois a tecnologia móvel permitiu aos países africanos e ao povo africano realizar um salto e tanto. Por exemplo, na Nigéria havia uns cem mil celulares há dez anos. Hoje, há cem milhões.  Da mesma forma, a rede elétrica desenvolvida na Europa nunca esteve presente na África. Contudo, geradores solares acoplados com dispositivos de armazenamento de bateria e corrente direta, colocados no lugar dos que funcionavam com corrente alterada, funcionam perfeitamente bem em redes locais e menores, sem precisar de uma grande conexão nacional ou continental. 

Você pode dar outro exemplo de desenvolvimento fora da rede?
Drones. Na África, as estradas são muito ruins. Pavimentar o continente todo da mesma forma que fizemos na Europa seria muito caro para ser viável. A boa notícia é que os drones estão aumentando sua área de cobertura e sua capacidade de transporte muito rápido. Isso significa transportar mais e mais coisas com drones em um tempo hábil. Já é possível entregar medicamentos em áreas remotas na África. Eles são leves, muito importantes e necessários para uso rápido. Assim, os drones apresentam o melhor custo-benefício para transporte. Outro exemplo são os pagamentos por dispositivos móveis: Quênia é o país que mais realiza esse tipo de pagamento. Quase um quarto do PIB nacional se origina desse tipo de sistema.

Por que o Quênia?
A infraestrutura bancária queniana não é muito eficiente, principalmente se compararmos com os padrões ocidentais. Assim, as pessoas preferem pagamentos por dispositivos móveis. Frequentemente ouvimos que muitas pessoas não têm acesso à Internet, mas na verdade há muitas mais sem conta bancária. Para abrir uma de forma tradicional, você precisa de uma identidade com foto, em alguns casos até uma certidão12:40 31/08/2016 de nascimento. Contudo, em áreas pobres e remotas do mundo há muitas pessoas que não tem tais documentos. Isso significa que elas não existem para o sistema bancário e não podem abrir uma conta. Ainda assim, elas podem usar bitcoins. Caso possuam um computador e um smartphone, elas podem até participar em atividades comerciais.

Então a revolução digital tem um papel mais importante para comunidades isoladas em países em desenvolvimento?
A vantagem diferencial é maior. Se alguém não usa Wikipédia na Itália ou na França, eles até podem perder algo, mas ainda podem ir a bibliotecas e consultar boas enciclopédias. Mas se alguém não usa o site em uma área remota da África ou em uma vila pequena na Tailândia, a perda é maior. Fato interessante: todo o conteúdo da Wikipédia de língua inglesa foi traduzido para o tailandês. Boa parte da tradução é feita por computador. Assim, a qualidade não é muito boa. Mas se você for um pescador em uma pequena vila tailandesa, você não tem acesso a uma enciclopédia comum. Assim, a alternativa é muito ruim, pois não há nenhuma informação. Ter a Wikipédia disponível em sua própria língua faz uma grande diferença.

Saiba mais
Relacionadas
Informação do produto
O melhor da tecnologia de ponta da Pirelli
Descubra o novo P Zero
Encontre
Selecione o produto sob medida para você
Encontre o melhor pneu para seu carro
life