life

Calendário Pirelli de 1971
com ar jamaicano

O Calendário mudou de direção em 1971, com o fotógrafo Francis Giacobetti trocando o glamour e o escapismo por uma abordagem mais descontraída

Home life Calendário Pirelli de 1971
com ar jamaicano
Calendário Pirelli de 1971
com ar jamaicano

Em relação ao que aconteceu anteriormente, o Calendário Pirelli de 1971 foi uma mudança intrigante. Isto é um fato tanto para a Pirelli quantopara o fotógrafo Francis Giacobetti, que também fotografou o Calendário no ano anterior.

Seu cenário não era menos atraente do que os ambientes praianos do passado. Giacobetti e o diretor de arte da Pirelli, Derek Forsyth, escolheram uma praia ao redor de Montego Bay, na Jamaica. ("Pirelli com ar jamaicano" foi o título alegre do calendário daquele ano.)

Mas o clima era surpreendentemente novo. Desde o seu lançamento em 1964, o Calendário exalava glamour e uma sensação de escapismo com céus azuis e areias brancas, criando uma reputação de sensualidade de alto conceito que Giacobetti havia entregado ao máximo em suas fotos nas Bahamas em 1970. “Eu sou um voyeur", ele disse. “O prazer é olhar”.

A entrada de janeiro para o Calendário Pirelli de 1971 - fotografada pelo francês Francis Giacobetti - foi um estudo de close-up do rosto da modelo Angela McDonald. No que diz respeito às fotografias que prendem a atenção, esta é difícil de bater.


Uma abordagem romântica

Em contraste, este Calendário, de acordo com Forsyth, foi projetado para ser “sombrio e romântico; ele é atravessado uma temática melancólica, muito descontraído. Eu estava sempre tentando garantir que as pessoas que recebessem o Calendário realmente o pendurassem na parede, então estava ciente de que não deveria ser pornográfico”.

Giacobetti alcançou aquele tom sonhador, quase melancólico, com o uso da luz. “Antes de mais nada, sou um técnico da iluminação”, disse uma vez. “A iluminação pode ser feita com elementos muito simples enão necessariamente com muitos equipamentos.” Ele se contentou com câmeras simples, luz natural e uma variedade de filtros. Muitas das fotos do Calendário de 1971 parecem opacas, como se fossem vistas através de sombras coloridas. Na verdade, colocar um par de óculos de sol surrados em frente às lentes foi uma técnica pela qual ele se tornou conhecido.

Fotografando o Calendário Pirelli de 1971 em uma praia na Jamaica, o fotógrafo francês Francis Giacobetti fez uso de filtros polarizadores. Esta imagem de fevereiro foi tirada em cores, mas se beneficia dos contrastes gritantes e das linhas ousadas normalmente associadas à fotografia em preto e branco.


Um sentimento pelo ambiente

Outra grande diferença em relação aos Calendários anteriores foi o uso de interiores. As fotos internas foram tiradas em uma grande casa da era vitoriana e estão entre as mais românticas e originais devido ao uso de luz natural. “Todas as noites havia um jantar formal. Havia uma equipe. Foi suntuoso”, lembrou Giacobetti em uma entrevista de 2014 para o Victory Journal. “Na frente da casa havia uma árvore extraordinária – uma uva-da-praia– com folhas enormes. Esperei a noite toda pela luz perfeita para fotografar uma garota encostada na base da árvore.” A imagem resultante de Howard foi publicada em março e mostrou a extraordinária habilidade de Giacobetti para ambientação e composição. As outras modelos foram Christine Townson e Caileen Bell. Forsyth cuidou do elenco. Giacobetti não se preocupou com esse aspecto das fotografias estáticas. “Cheguei e estavam todos lindos”, disse ele.

Angela McDonald foi uma das quatro modelos a aparecer no Calendário Pirelli de 1971, fotografado na Jamaica pelo francês Francis Giacobetti. Esta foto dela foi veiculada em maio. O diretor de arte da Pirelli, Derek Forsyth, montou o elenco e chamou o clima do trabalho daquele ano de "sombrio e romântico".


O Calendário de 1971 antecipou o erotismo sensual que viria a resumir os anos 1970. Então, Giacobetti foi um dos principais arquitetos desse novo clima, como o diretor de arte da revista Lui, a resposta da França à Playboy. Nascido em 1939 em Marselha, filho de pais da Córsega, Giacobetti começou na Paris Match, depois trabalhou em várias revistas de moda antes de se juntar à Lui no seu lançamento em 1963. Lá ele reinventou o conceito da pin-up americano para a França, adicionando charme e senso de humor. A primeira capa da Lui, de novembro de 1963, mostrava a atriz francesa Valérie Lagrange nua em uma pilha de palha, saindo de uma caixa virada para cima, com uma etiqueta de presente “No.1” amarrada em seu braço. Notavelmente, Giacobetti produziu trabalhos para a revista com 14 pseudônimos diferentes, o que lhe deu a oportunidade de experimentar com seu estilo, ao mesmo tempo sugerindo uma variedade de colaboradores para rivalizar com a Playboy e a Paris Match.

O Calendário Pirelli de 1971 foi fotografado por Francis Giacobetti e marcou uma mudança em relação aos anos anteriores ao usar tantos locais internos. Esta foto melancólica de outubro foi tirada em uma grande casa da era vitoriana perto de Montego Bay, na Jamaica.


Trabalho definitivo

Além de modelos, ele também fotografou celebridades. Uma sequência famosa de Jane Birkin e Serge Gainsbourg encenando a violenta briga de um casal apareceu na Lui em 1974. Outra imagem notável de 1975 mostrou Grace Jones esticando sua língua incrivelmente vermelha, destacando o uso de filtros de Giacobetti para criar contrastes dramáticos de cores. Ele também fotografou o agora icônico pdo filme erótico cult de 1974 Emmanuelle, com a atriz Sylvia Kristel sentada sem camisa em uma cadeira de vime, além de dirigir a primeira de suas muitas sequências e produzir Emmanuelle 4.

Posteriormente, Giacobetti deixou de fazer imagens eróticas para tirar fotos de personalidades como Andy Warhol, Yehudi Menuhin, o Dalai Lama e Fidel Castro. Talvez o mais notável seja o fato de ele ter produzido uma coleção de 200 retratos de seu amigo artista Francis Bacon. Uma de suas séries mais ousadas, também da década de 1980, chamada Zebras, Irises, Hymn, brincava com feixes de luz no corpo de uma modelo para sugerir listras de zebra. Isso levou a uma longa colaboração em campanhas para a linha Pleats Please de Issey Miyake. Suas representações de dançarinas em posições dinâmicas usando as roupas da moda distinta do designer parecem muito distantes de seu trabalho para a Pirelli. Mas em seu amor pela forma, linha e contorno, você pode ver que elas pertencem ao mesmo corpo singular do trabalho de Giacobetti. Mais uma vez, o Calendário Pirelli foi um campo de provas para um dos mais talentosos fotógrafos de nosso tempo.

A modelo Kate Howard apareceu várias vezes no Calendário Pirelli de 1971, fotografado na Jamaica pelo fotógrafo francês Francis Giacobetti. Principalmente no mar - como nesta entrada de dezembro.

Saiba mais
Informação do produto
O melhor da tecnologia de ponta da Pirelli
Descubra o novo P Zero
Encontre
Selecione o produto sob medida para você
Encontre o melhor pneu para seu carro
life