A colaboração entre Pirelli e Lamborghini remonta a 1963: o ano em que Ferruccio Lamborghini pediu à Leopoldo Pirelli para equipar o primeiro carro da recém-criada montadora. O primogênito da casa de Sant’Agata foi o 350 GTV, lançado como protótipo no Salão de Turim daquele ano.

Tanto este modelo quanto a versão de série, batizada de 350 GT, apresentada no ano seguinte, no Salão de Genebra, usaram os pneus Cinturato HS, desenvolvidos na época para equipar carros esportivos que já eram capazes de atingir a marca dos 240km/h. A sigla HS significava ‘High Speed’, indicando a capacidade do pneu de suportar as altas velocidades geradas pelos supercarros que surgiam na década de 1960.

No entanto, foi em 1966 que a Lamborghini realmente amadureceu, com a introdução do lendário Miura. Os pneus desenvolvidos para este carro foram adicionados à gama da Pirelli em 1967, juntamente com o equipamento original para o Lamborghini 350 GT e 400 GT. Mas o Miura se beneficiou da nova geração de pneus Cinturato HS: o CN72, na medida 205 VR 15. O novo pneu apresentava uma banda de rodagem mais avançada em comparação com o Cinturato clássico, o CA67, com um projeto mais silencioso e confortável. Este foi então adotado como equipamento original por todos os modelos Lamborghini subsequentes, incluindo o Espada, que surgiu em 1968.

Dois anos depois, quando a Lamborghini solicitou um novo pneu ‘Série 70′ para o Miura, com um flanco muito menor para melhorar o comportamento na estrada, a Pirelli apresentou o novo Cinturato CN73 na medida 225/70 VR 15. Isso pavimentou o caminho para os pneus de perfil baixo que seriam comercializados como Pirelli P7, escolhidos pela Lamborghini em 1971 como equipamento original para o seu mais recente modelo: o épico Countach, que definiu os supercarros da década de 70.

Foi um Lamborghini, uma vez mais, que estreou outro produto da Pirelli em 1988. A edição ‘Anniversary’ do Countach – lançado para marcar aniversário de 25 anos da marca – foi um dos primeiros supercarros a usar a nova família de pneus P Zero.

Entre 1986 e 1988 a Lamborghini produziu o derradeiro 4×4: o LM002. Para este precursor da moderna gama de veículos off-road de luxo, a Pirelli criou a série Scorpion, com características inovadoras, como o uso de Kevlar na estrutura da carcaça e uma nova construção run-flat.

O LM002 participou do Paris-Dakar em 1988, marcando o início da associação entre Lamborghini e Pirelli no automobilismo. Esta parceria esportiva ainda é muito forte, com a Pirelli como fornecedora exclusiva do Super Trofeo Lamborghini Blancpain.

Em 1990, entrou em cena o Lamborghini Diablo. Foram construídas apenas 3.000 unidades, todas equipadas com pneus Pirelli. A virada do século trouxe o Murcielago (2002) e o Gallardo (2003) – ambos com o P Zero Rosso.

Nos dias de hoje, a tecnologia e a segurança da Pirelli ainda são parte integrante da parceria com a Lamborghini, com o novo Aventador LP 700-4 Roadster usando um pneu P Zero feito sob medida. O Veneno, um carro de sonho criado para celebrar o 50º aniversário da Lamborghini, está equipado com pneus especialmente desenvolvidos pela Pirelli, que carregam um logotipo vermelho, inspirado nos pneus P Zero de um fórmula.